Astrônomos dizem que está chovendo no Sol

765

É um dos mistérios mais antigos do Sol: por que a superfície superaquecida dessa grande bola de plasma brilhante é realmente mais fria que sua atmosfera externa, chamada de corona. E os cientistas agora têm uma nova explicação para este assunto altamente debatido, e a resposta estava escondida em um estranho fenômeno solar que nunca foi observado com outro olhar: um dilúvio de chuva de plasma caindo dentro de estruturas magnéticas recém-descobertas chamadas Raining Point Topologies.

Na Terra, quando esquenta, a água evapora, transformando-se em vapor que sobe para a atmosfera, antes que o resfriamento efetivamente reverta o processo: as moléculas de água se condensam dentro das nuvens, que mais tarde derrubam as chuvas sobre a terra, os oceanos e os rios.

Na superfície escaldante do Sol, um ciclo semelhante de eventos controla o que é conhecido como chuva coronal: plasma superaquecido que se origina do Sol, frequentemente durante eventos de erupção solar, ao longo de loops magnéticos invisíveis. Quando este plasma esfria enquanto se afasta do Sol, ele forma uma espécie de arco de chuva, condensando e descendo de volta para a fotosfera ao longo de trilhas magnéticas invisíveis.

Basicamente, tanto a Terra quanto o Sol estão similarmente sujeitos a chuvas, feitos apenas de diferentes tipos de condensação e desaquecimento.

“A física é literalmente a mesma”, disse a física solar Emily Mason da Universidade Católica da América. A pesquisa de Mason acaba de ser publicada, e nos diz algo sobre a chuva coronária que nunca conhecemos: ela ocorre principalmente em um lugar inesperado e está associada a um fenômeno novo na física solar.

Como parte de seu trabalho diário no Goddard Space Flight Center da NASA, Mason estava investigando a chuva coronal em gigantes estruturas magnéticas. Depois de meses procurando por uma chuva coronal nesses arcos épicos, Mason não teve sucesso, mas com a ajuda de dados do Solar Dynamics Observatory (SDO), da NASA, ela observou loops magnéticos muito menores muito mais perto da fotosfera que pareciam exibir evidências da chuva de plasma.

Apesar do dilúvio descoberto, foi apenas quando Mason compartilhou os dados com seus colegas pesquisadores da NASA que as estruturas magnéticas menores – que a equipe chama de Topologias de Ponto Nulo Racional (RNPTs) – foram identificadas como um novo fenômeno solar.

As novas descobertas não nos dizem exatamente como os RNPTs podem estar aquecendo a coroa – que permanece hipotética por enquanto – mas a grande quantidade desse fenômeno de plasma, e sua duração contínua, sugere que essa poderia ser uma grande peça do quebra-cabeça.

Serão necessárias muito mais pesquisas e observações futuras para definir as possibilidades, mas a nova descoberta dos RNPTs poderia ser um grande fator para ajudar os cientistas a entender essas discrepâncias esquisitas sobre os intensos fluxos de calor e plasma do Sol.

“Como a compreensão do aquecimento coronal é, sem dúvida, o mais importante problema não resolvido da física solar” , escrevem os pesquisadores, “as medidas detalhadas dessa chuva coronal são extremamente importantes”.

 

Fonte: Mistérios do Espaço

Comentários