VILHENA: Garota de 14 anos que denunciou ter sido estuprada por três homens confessa que mentiu

A delegada encaminhou ao MP o procedimento de apuração de ato infracional. A menor poderá responder por comunicação falsa de crime

18630
Delegada Solangela Guimarães (Foto: Renato Spagnol)

A adolescente de 14 anos que registrou queixa de estupro em Vilhena confessou na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) que mentiu sobre o caso, na verdade, o estupro nunca aconteceu. A nova versão do caso foi divulgada pela delegada Solangela Guimarães na manhã desta terça-feira (11), em coletiva de imprensa. Segundo ela, a menor confessou em um novo depoimento, prestado na última quinta-feira, ter inventado o estupro por que passa por problemas familiares. A delegada explicou ainda que exames feitos no dia da queixa comprovaram que não havia sinais de violência no corpo da jovem.

Com a confissão da adolescente, a DEAM concluiu a investigação do caso e encaminhou ao Ministério Público de Rondônia (MP-RO) o procedimento de apuração de ato infracional. A menor irá responder por comunicação falsa de crime e poderá ser encaminhada pelo juizado da Infância de Juventude para medidas socioeducativas.

A garota tinha denunciado, no último dia 28 de maio, que foi abordada por um homem por volta das 7h da manhã enquanto seguia para a escola. Na versão, ela contou que foi colocada em um carro e foi levada a até um bairro afastado da área central onde outros dois homens estavam e lá, foi violentada dentro do carro. Depois disso, conseguiu sair do veículo e pedir ajuda na casa do namorado, que mora a cerca de 6 km do local onde teria acontecido o crime.

Menina receberá atendimento psicológico

De acordo com informações da delegada Solangela Guimarães, a menor revelou que passa por problemas familiares e naquele dia saiu de casa e ficou por horas perambulando pela cidade e, para justificar a falta na escola ela foi até a casa do namorado e lá comunicou que tinha sido raptada e estuprada por três homens. A família do rapaz então entrou em contato com a mãe e o padrasto da garota e ela foi levada até o hospital, em seguida a queixa foi registrada na Polícia Civil

A delegacia confirmou à reportagem do Vilhena Notícias que profissionais do Centro de Atendimento à Mulher (CAM) estão prestando atendimento psicológico para a menina.

Falsa denúncia paralisou mais de 1 mil investigações

Segundo dados da DEAM, cerca de 1.300 processos por crimes de violência sexual e doméstica estão sendo investigados pela Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, que apura crimes ocorridos em Vilhena, Chupinguaia e nos distritos dessas duas cidades. A falsa denúncia da garota levou a delegada a interromper, por quase três semanas, todas essas investigações. “Não é um crime característico de Vilhena e quando recebemos a denúncia colocamos toda a equipe para trabalhar no caso e interrompemos a apuração de outros casos que estão sendo apurados por nós. Ela [menor] movimentou toda uma máquina estatal para um crime que não aconteceu”, destacou Guimarães.

De acordo com a delegacia, 95% dos crimes de violência sexual registrados na cidade são estupros de vulneráveis, e eles ocorrem dentro do seio familiar ou no círculo de amizade. “O crime denunciado era atípico e por isso foi mobilizada uma grande equipe de trabalho”, finalizou Solangela Guimarães.

Comentários