Notícia publicada às 08:55:00 - 13/06/2018 e lida: 671 vezes   
    
  
  
Após determinação da Justiça trabalhadores da Eletrobras encerram paralisação de 72 horas
Justiça do Trabalho determinou que pelo menos 75% dos trabalhadores permanecessem ativos.

Após determinação da Justiça trabalhadores da Eletrobras encerram paralisação de 72 horas
 Após determinação da Justiça trabalhadores da Eletrobras encerram paralisação de 72 horas
Foto: Toni Francis/G1

Por
Redação

Os trabalhadores da Eletrobras desistiram de dar continuidade à paralisação de 72 horas que havia sido deflagrada na segunda-feira (11). Apenas iniciada a Justiça do Trabalho determinou que pelo menos 75% dos trabalhadores permanecessem ativos e já na manhã de terça-feira (12) todos retornaram à suas atividades. O protesto era contra o processo de privatização da empresa que tramita em Brasília.

>> PRIVATIZAÇÃO: Trabalhadores da Eletrobras anunciam greve a partir de segunda-feira

O presidente do Sindicato dos Urbanitários de Rondônia (Sindur), Nailor Gato, disse que encerramento foi decidido em assembleia geral realizada na tarde de segunda-feira. “Alguns estados mantém a paralisação de 25% do efetivo, mas Rondônia optou pelo retorno de 100% do pessoal”, explicou o sindicalista.

Outra reivindicação dos trabalhadores é a saída do atual presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior.

Sobre o processo de privatização, a assessoria da Eletrobras divulgou nota explicando o que aconteceu e quais os procedimentos que serão adotados pela estatal.

Confira a nota abaixo na íntegra:

Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (“Companhia” ou “Eletrobras”) comunicou, em 05 de junho de 2018, por meio de Fato Relevante, a concessão, pelo MM Juízo da 49a Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, de tutela de urgência, proferida no processo: 0100071-78.2018.5.01.0049, determinando que a Companhia e as demais Rés (Amazonas Distribuidora de Energia S.A. – AMAZONAS ENERGIA, Centrais Elétricas de Rondônia - CERON, Companhia de Eletricidade do Acre – ELETROACRE, Companhia Energética de Alagoas – CEAL e Companhia Energética do Piauí – CEPISA), “se abstenham de dar prosseguimento ao processo de desestatização, afim de que apresentem, individualmente ou de forma coletiva, no prazo de até 90 (noventa) dias, estudo sobre o impacto da privatização nos contratos de trabalho em curso”.

Em complemento, a Companhia informa aos seus acionistas e ao mercado em geral que a referida decisão foi alvo de Mandado de Segurança impetrado pela Eletrobras e o pedido liminar apresentado foi rejeitado pela Desembargadora Relatora.

Por outro lado, a União apresentou pedido de suspensão de segurança (processo: 0002121-22.2018.5.01.0000) com o objetivo de sustar a antecipação da tutela anteriormente concedida e, na presente data, o Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 1a Região acatou o pedido para suspender a liminar que impedia o prosseguimento do processo de desestatização das Distribuidoras.

A Eletrobras retomará, assim, os procedimentos relativos à desestatização das referidas Distribuidoras.

Rio de Janeiro, 11 de junho de 2018.

Armando Casado de Araujo - Diretor Financeiro e de Relações com Investidores

 

 

FONTE: VILHENA NOTÍCIAS

 

 


 


 

 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.