Renato Spagnol – “Noite Feliz” completa 200 anos: história e lenda do canto natalino mais famoso no mundo 

355

«Stille Nacht», uma das canções mais tradicionais e famosas dedicadas ao natal festeja seus 200 anos no dia 24 de dezembro de 2018. O texto da canção, que nós conhecemos como «Noite Feliz», foi escrito em 1816, mas a melodia foi composta somente dois anos mais tarde, em 1818. 

O texto de noite feliz, de fato, vem a ser escrito em ocasião do natal de 1816 por Joseph Mohr, vigário paroquial a Mariapfarr, um município no distrito de Tamsweg, no estado de Salzburg, na Áustria. Mohr, que àquela época tinha 24 anos, buscava escrever uma «poesia de paz» em meio a guerras revolucionárias e a fome que assolavam a região naqueles tempos. A música para acompanhar o texto e criar a melodia chegaria dois anos mais tarde, quando Mohr, transferido à paróquia de São Nicolau em Oberndorf, sempre próximo a Salzburgo, pediu ajuda ao maestro de orquestra Franz Gruber. O jovem Mohr queria uma melodia simples, cantada apenas por duas vozes com acompanhamento de um coro e guitarra. 

Foram os próprios Mohr e Gruber, entre outras coisas, a entoá-la pela primeira vez: na noite de natal os dois a cantaram para os fiéis reunidos para a missa do galo (meia noite). A lenda conta que a canção foi cantada sem o acompanhamento do órgão, porque este não funcionou e os dois decidiram de cantá-la para não deixar os fiéis sem o tradicional canto de natal. Agradou tanto que, Noite Feliz vem a ser cantada em igrejas de outras cidadezinhas entorno. O sucesso, no entanto, é também devido a algumas circunstâncias mais que especiais. Em 24 de dezembro de 1914, no curso da primeira grande Guerra Mundial, soldados alemães e britânicos empenhados em combater na Frente da Europa Ocidental depuseram as armas e cantaram as canções de natal dos próprios países, incluindo a que viria a ser tornar um símbolo mundial, «Stille Nacht», ou Noite Feliz. A chamada Trégua de Natal – vista como um momento simbólico de paz e de humanidade meio a um dos eventos mais violentos da história moderna – ficou imortalizada como o termo usado para descrever o armistício informal ocorrido na frente de batalha.  

Desde sua criação até hoje a canção foi traduzida em mais de 140 línguas, e é um dos cantos mais famosos do mundo. Em 2011, a canção foi incluída na lista de ativos austríacos como patrimônio cultural imaterial da Unesco. Uma curiosidade: no Brasil existem algumas versões de Stille Nacht, talvez as três mais conhecidas ou populares são:  

  • A do missionário batista norte-americano William EdwinEntzminger(1859-1930); 
  • A do Pe. PedroSinzig(1876-1952); 

Para o processo de tradução foram usadas duas línguas, o Alemão e o Inglês.

Manuscrito da “Canção de Natal” de Joseph Mohr e Franz Gruber
Foto: Wikipédia – Trégua de natal
A Stille-Nacht-Kapelle marca o local onde a canção foi executada pela primeira vez. Foto: Wikimedia Commons
Comentários