Mulher recusa reatar relação e é demitida de empresa onde ex-marido tem cargo importante

Jovem pode ter sido vítima de assédio moral no trabalho e demissão pode virar caso de Justiça

12095
Imagem ilustrativa

“Ele disse que eu seria demitida do meu serviço se não reatasse com ele”. Este trecho foi extraído de uma ocorrência policial depositada na tarde desta terça-feira (20) no Quartel da Polícia Militar, em Chupinguaia. A autora da queixa é uma mulher, de 25 anos, que reside no município e alega sofrer perseguição do ex.

A jovem procurou a polícia depois que seu ex-companheiro, de 46 anos, desrespeitou uma medida judicial protetiva que o obriga a manter-se afastado por no mínimo 200 metros e ainda de manter qualquer tipo de contato com ela. No último final de semana, o homem tentou entrar na casa dela para reatar a relação.

Ao prestar depoimento no quartel ela disse que, até ontem, trabalhava na mesma empresa que o ex, mas em setores diferentes, porém, após o fim da relação, que definiu como abusiva, passou a ter problemas no trabalho devido as constantes ligações que recebia do ex em horário de expediente. Em uma das ligações, dias atrás, o homem teria ameaçado, caso ela não voltasse com ele, a empresa a demitiria. A intimidação se confirmou na data de ontem, quando o setor de Recursos Humanos da empresa convocou a mulher para anunciar sua demissão.

No registro policial ela diz que a empresa, que fica na área rural de Chupinguaia, não apresentou qualquer justificativa para o desligamento. A mulher pode ter sido vítima de assédio moral no trabalho e demissão pode virar caso de Justiça. O caso foi trazido para a Polícia Civil de Vilhena.

Publicidade

A reportagem buscou junto ao Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO) informações sobre a medida protetiva concedida em defesa da jovem, mas as informações correm em segredo de Justiça.

 

Comentários