Volta às aulas no Cecília Meireles será sob comando do Bombeiros; explica Subcomandante Geral

Escola passará a se chamar Dom Pedro II a partir do próximo ano. Hoje, mais de 500 alunos estão matriculados na instituição.

5410
Capitão Oliveira, Subcomandante Geral Gregório de Lima, Majores Castro e Guedes e Tenente Lucelma. (Foto: Renato Spagnol)

O projeto de militarização de colégios públicos de Vilhena passa por ampliação e a escola estadual Cecília Meireles do bairro Bodanese, será, a partir do próximo ano letivo, submetida a um modelo de gestão compartilhada, administrado pelo Corpo de Bombeiros Militar e Secretaria de Estado da Educação – Seduc. Usado em outras unidades federativas, a escola será a primeira da região Norte administrada por bombeiros, segundo informou Gilvander Gregório de Lima, Subcomandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia em visita à redação do Vilhena Notícias, na manhã de quarta-feira (3). Atualmente Vilhena conta com uma unidade militarizada, a Tiradentes que está sob a responsabilidade da PM. A escola municipal Cristo Rei também passa por processo de militarização.

Gregório revelou que a nova unidade irá se chamar Escola Dom Pedro II em homenagem ao patrono dos Bombeiros Militares do Brasil. O modelo que deverá ser implantado pela corporação, já funciona em escolas do Distrito Federal e possui particularidades em relação às administradas pela PM. Para o subcomandante, a “disciplina e educação são as duas prioridades dentro do novo modelo”, que deverá atender mais de 500 estudantes.

Diferencial

O aluno que infringe alguma regra é colocado em regime disciplinar, mas ele não perde conteúdo pedagógico, como explica a Tenente Lucelma, diretora da escola Militar Tiradentes da capital.

“Se o aluno recebeu suspensão de dois dias por mau comportamento, ele irá continuar assistindo aula no contra turno, se ele estuda de manhã deverá ir assistir aula à tarde, e nesse contra turno são duas horas que ele vai executar tarefas pedagógicas, desde auxílio para o professor à tomada de leitura”, explica a tenente.

Atualmente cerca de 510 alunos estão matriculados na instituição. Com a mudança, eles deverão usar uniforme com inspiração militar e seguir disciplinas mais rígidas. Sobre as cotas, Lucelma esclarece que 70% das vagas são destinadas a alunos que residem no bairro onde a escola está instalada, o restante, 30%, será de ampla concorrência para estudantes de outros bairros.

Comitiva

Desde a terça-feira (2) uma comitiva formada pelo Subcomandante Geral Gregório de Lima, e ainda pelos Majores Castro e Guedes, além da Tenente Lucelma e do Capitão Oliveira, realiza reuniões com a coordenação da Seduc em Vilhena, e autoridades do município como o prefeito Eduardo Japonês, para explicar como será o funcionamento da primeira escola da região Norte administrada pelo Corpo de Bombeiros. Hoje, às 19h, haverá uma reunião com os pais dos estudantes do colégio. O encontro com os genitores visa dar maiores esclarecimentos e explicar como será a rotina da unidade.

Comentários