Arma de policial mato-grossense foi usada em 7 homicídios por grupo de extermínio, diz Gaeco

Grupo era denominado "Mercenários"

2170

Nesta quarta-feira (21), a Promotoria Militar, em conjunto com o Gaeco, força tarefa composta pela Polícia Militar, Civil e Ministério Público, e a Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) deflagraram a “Operação Coverage” e a 3ª fase da “Operação Mercenários”. Na operação da DHPP, foram cumpridos três mandados de prisão preventiva contra o tenente Cleber de Souza Ferreira e dois mandados de prisão preventiva contra Claudiomar Garcia de Carvalho, por crimes de homicídios qualificados em atividade típica de grupo de extermínio Mercenários.

A operação do Gaeco visou cumprir mandados de prisão preventiva, busca e apreensão domiciliar e pessoal contra os policiais militares Cleber de Souza Ferreira, tenente Thiago Satiro Albino, tenente coronel Marcos Eduardo Ticianel Paccola e tenente coronel Sadá Ribeiro Parreira, por crimes de organização criminosa armada, obstrução de justiça, falsidade ideológica e inserção de dados falsos em sistema de informação. Todavia, o tenente coronel Paccola conseguiu um habeas corpus preventivo e sequer chegou a ser detido.

De acordo com a investigação realizada pela Promotoria Militar com o apoio do Gaeco, a partir de provas compartilhadas pela Polícia Civil, com autorização do Poder Judiciário, o exame balístico comprovou que uma pistola tipo Glock, 9 mm, do tenente Cleber de Souza Ferreira foi usada em 7 crimes de homicídio sendo quatro tentados e três consumados praticados pelo grupo de extermínio denominado Mercenários.

Conforme as investigações, com a finalidade de obstruir as investigações relacionadas aos referidos homicídios, os policiais militares articularam a alteração do registro da arma de fogo, mediante falsificação documental e inserção de dados falsos em sistema da Polícia Militar, tudo para ocultar que na data dos 7 crimes de homicídios a pistola já estava em poder do tenente Cleber de Souza Ferreira.

Publicidade

 

Fonte: Com informações do Folhamax

 

Comentários